Digite seu E-mail:

Assinar Feed

domingo, 24 de junho de 2012
Imprimir PDF

Vida após a Morte Segundo a Religião Judaica

VIDA-ETERNA

A crença cristã teve como primícia de suas revelações, a unidade judaica com suas tradições, e grande parte das denominações cristãs hoje, atestam firmemente que este conceito de vida após a morte, é pagão, portanto não pertencia a igreja primitiva cristã e ao judaísmo, ou seja; uma inversão dos concílios de Roma. Será?

Então para meus amigos espiritualistas de plantão, postarei uma matéria muito show, mostrando o que acreditava e acredita a visão judaica na realidade, quando abordamos este dogma transcendental, e garanto que ficarão perplexos com o que vão ver.

Judaísmo

A vida após a morte é fundamental na crença judaica. A criação do homem atesta a vida eterna da alma.

A Torá diz: "E o Todo Poderoso formou o homem do pó da terra e soprou em suas narinas a alma da vida". Neste versículo, o Zôhar declara que "aquele que sopra, sopra de dentro de si mesmo," indicando que a alma é na verdade parte da essência de D'us. Como Sua essência é completamente espiritual, e não-física, é impossível que a alma possa morrer. Esta é a idéia que o Rei Salomão queria transmitir quando escreveu: "O pó retornará ao solo como antes, e o espírito retornará a D'us que o concedeu." (Cohêlet 12:17).

Na morte, a alma e o corpo, que formavam uma entidade, se separam. O corpo é enterrado e volta à matéria perdendo toda sua conexão com a Vitalidade. Já a alma é eterna, e se transfere deste mundo para o próximo, um mundo totalmente espiritual. Essa transferência se dá por etapas: enquanto o corpo passa por um processo lento de decomposição essencial para a separação gradual entre corpo e alma, a alma judaica passa por vários estágios se desligando gradualmente deste mundo: primeiro a morte, depois o enterro, 3 dias após a morte, uma semana após a morte, 30 dias após a morte, 3 meses após a morte, 11 meses após a morte, e finalmente um ano após a morte.

A idéia do judaísmo sobre a vida após a morte é bem diferente das tradições ocidentais

Obviamente existe um lugar onde as pessoas boas recebem uma recompensa e os maus são punidos. (veja Maimônides, 13 Princípios da Fé).

A alma precisa passar por uma série de purificações para poder entrar no Gan Éden (conhecido como paraíso). Muitos chamam esta fase de inferno ou purgatório, mas o judaísmo acredita que o inferno não é uma punição, mas um sofrimento espiritual, um processo de refinamento pelo qual a alma precisa passar para se purificar dos pecados cometidos e elevar-se nos diferentes reinos espirituais. Só então a alma vai para o Gan Éden, onde estuda os segredos mais profundos da Torá e é envolvida pela presença Divina.

Para qualquer pessoa que acredita em um D'us justo e amoroso, a existência de uma sobrevida faz sentido lógico. É possível que este mundo seja apenas um parque de diversões sem maiores conseqüências?
Há uma conexão direta, e o "filme da vida", não tem pré-estréia nem "bis", roda uma vez e pronto! Sem mesa de edição. Os bons atos de sabedoria que a alma ganhou em sua missão aqui em baixo servem como uma proteção, uma roupa espacial para sua jornada nos altos. Qualquer um deseja para si uma que lhe sirva a contento, realmente confortável e útil ao empreender esta viagem.

ceu e inferno

Quando a pessoa morre e vai para o céu, o julgamento não é arbitrário e imposto externamente.

Ao contrário, a alma assiste à dois filmes: o primeiro é chamado "Esta é a sua vida!" Cada decisão e cada pensamento, todas as boas ações, e todas as coisas constrangedoras que a pessoa fez em particular são passados sem nenhum embelezamento. É a verdade nua e crua para todos assistirem. Eis porque o próximo mundo é chamado Olam HaEmet – "O Mundo da Verdade," porque lá reconhecemos claramente nossa força pessoal e nossas falhas, e o verdadeiro propósito da vida. Para resumir, o inferno não é o diabo atiçando as chamas com um tridente.

O segundo filme mostra como a vida da pessoa "poderia ter sido…" se as escolhas certas tivessem sido feitas, se as oportunidades tivessem sido aproveitadas, se o potencial fosse utilizado. Este vídeo – a dor do potencial desperdiçado – é muito mais difícil de suportar. Mas ao mesmo tempo, também purifica a alma. O sofrimento provoca o arrependimento, que remove as barreiras e possibilita à alma conectar-se completamente com D'us.

Quando a alma deixa o corpo, continua a ter outras experiências

Quando a alma deixa o corpo, continua a ter outras experiências. Uma parte disso talvez seja receber as recompensas pela sua obra neste mundo: apreciar a Divindade, ver os frutos de seu trabalho nesta vida, passear pelo "paraíso", acompanhar o crescimento de seus filhos e passos de seus amigs e familiares, sentar e respirar o ar rodeado de um infinito azul longe das "tempestades" … mas qualquer que seja o cenário nas Alturas, o corpo voltará à vida após todos os fatos previstos que ocorrerão na era de Mashiach, quando então virá a Ressurreição dos Mortos.

Mas enquanto isto ainda não ocorre, há uma vantagem para a existência sem um corpo, também. O corpo está muito ligado a assuntos deste mundo e pode limitar nossa avaliação das coisas espirituais. A alma, por si só, é mais sensível à Divindade. O céu é onde a alma vive os maiores prazeres possíveis – o sentimento de proximidade a D'us. É claro que nem todas as almas a experimentam no mesmo grau. É como ir a um concerto sinfônico. Alguns ingressos são para as cadeiras centrais na frente, outros ficam atrás, nas arquibancadas. A localização de seu assento está diretamente conectada ao mérito de suas boas ações – como por exemplo fazer caridade ou cuidar e amar ao próximo, ou rezar com intenção e sinceridade, entre tantas outras.

ponte_ceu

Outro fator que deve ser considerado no céu é que uma pessoa pode ter ótimos assentos, mas pode não saber apreciar o que está acontecendo. Se a pessoa passa toda a vida elevando a alma e tornando-se sensível às realidades espirituais (através do estudo de Torá), então isso constituirá um prazer inimaginável no céu. Por outro lado, se a vida se resumiu a pizza e futebol, bem, isso pode ser bem entediante para a eternidade.
Quando uma pessoa é capaz de amar e estender-se até outro ser humano, então esta pessoa experimentou o céu nesta terra.

A existência de uma vida após a vida não é declarada explicitamente na própria Torá, porque como seres humanos temos de nos concentrar em nossa missão neste mundo, agir sem pensar na recompensa, embora a consciência dela possa se constituir em uma motivação eficaz.
Chegamos à conclusão que na verdade não há nada após a vida, porque a vida nunca termina.

É como um ciclo constante, onde a alma desprende-se do corpo e enquanto este decompõem-se lentamente neste processo, ela eleva-se gradualmente às alturas até ficar cada vez mais próxima de sua verdadeira fonte. Talvez sua jornada tenha acabado, talvez mais uma vez mais ela será convocada a descer e habitar um novo corpo, e assim sucessivamente sob o comando do Criador do Universo e de todas as almas, `Aquele que esteve, está e sempre estará no comando: D’us.

Comentário Aquárius:

- Como vemos que apesar de ser uma visão limitada á uma época, não podemos cobrar a perfeição desta ideologia descrita.

Como o vemos mesmo afirma que a TORAH, não descrevia explicitamente, pois esse tipo de busca viria no futuro, quando estes mesmo personagens, encarnariam entre cristãos, aprimorando esta visão.

Fato que seria concluída numa época futura, com a vinda do Espiritismo prometido, e o texto é claro: “ela será convocada a descer e habitar um novo corpo”.

Concluindo que até mesmo a visão reencarnacionista, fazia e faz parte destes dogmas antigos, portanto quando algumas denominações hoje negam isso, fazem simplesmente por ignorância e por falta até mesmo de conhecimento teológico e histórico.

Continuando o que alguns poderes coligados ao amor material, iniciaram á dois mil anos atrás, iniciada pelo clero papal, na tentava de barrar o espírito.

_________________________________________

Postagens Relacionadas :

- Após o Desencarne !

0 comentários: